sexta-feira, 27 de julho de 2012

Autoestima

AUTOESTIMA

Na vida, podemos ser um tapete persa ou um capacho. Num tapete persa ninguém pisa; é colocado em um lugar para ser visto e admirado. O capacho é usado pra ser pisado; as pessoas usam-no para as suas necessidades e conveniências.

Quando a nossa autoestima está elevada, temos condições de pensar e confiar em nossos pensamentos; acreditar que temos o direito de ser um tapete persa em vez de capacho.

Quando nossa autoestima está em baixa, não confiamos em nós. Deixamos esta decisão para os outros. Eles decidirão se devemos ser tapetes ou capachos, o que você acha que poderão escolher para nós.

A frase: Diga-me com quem andas e te direi quem és, retrata o nível de autoestima das pessoas que estão juntas. Inconscientemente, as pessoas se atraem pelo nível de autoestima.

Todos os nossos comportamentos são reflexos de nosso interior. Nós nos comunicamos mesmo sem falar nada. Nosso corpo, nosso olhar e gestos falam por nós. Se não nos respeitamos, nosso comportamento irá dizer isso. A probabilidade de não sermos respeitados é grande. É o caso do tapete e do capacho.

A autoestima está basicamente apoiada em confiar em si e em suas ideias, e em seu direito de ser feliz. SENÃO CONFIO EM MIM E EM MINHAS IDÉIAS OU ACHO QUE NÃO TENHO DIREITO DE SER FELIZ, ISSO VAI AFETAR MINHAS ESCOLHAS E MEU DESTINO.

Viver é ESCOLHER. Nosso futuro vai sendo formado de acordo com as escolhas que fazemos. Se estamos bem, temos melhores condições de escolher um bom caminho. Se não estamos bem, nossas escolhas podem nos levar para caminhos ruins.